qua, 11/01/2017 - 12:38

Moradores encontram macacos mortos na região de Simonésia

A reportagem conversou com outras pessoas de regiões diferentes que também relataram o ocorrido

Publicidade
SIMONÉSIA E IPANEMA (MG) - Moradores registram mortes de macacos por causas ainda desconhecida. Uma imagem foi encaminhada por morador, mostrando o animal encontrado morto nesta segunda, dia 9 de janeiro, nas proximidades de Alegria, distrito de Simonésia.

A reportagem conversou com outras pessoas de regiões diferentes que também relataram o ocorrido
“Aqui em São Vicente acharam pelo ou menos uns três macacos mortos e com a informação de mortes com suspeita de febre amarela, a gente fica assustada”, conta Josierlaine Meira

Publicidade
Publicidade

Diego Fraydewoks conta que “Existem casos relatados também por agricultores de morte macacos barbados em São José do Mantimento e na região de Santa Quitéria em Santana do Manhuaçu”.

MORTANDADE
Especialista em Gestão Ambiental dá detalhes sobre a mortandade de macacos em área próxima à Reserva Feliciano, entre Caratinga e Ipanema.
As mortes de dezenas de macacos barbados em áreas rurais ou de mata colocaram as autoridades de saúde e especialistas ambientais em alerta, na região de Ipanema, por ser um indicativo de surgimento de circulação do vírus da febre amarela silvestre. A doença é comum em macacos, que são os principais hospedeiros do vírus.

A febre amarela silvestre é transmitida através da picada de mosquitos Haemagogus que vivem em matas e vegetações à beira dos rios. Quando o mosquito pica um macaco doente, torna-se capaz de transmitir o vírus a outros macacos e ao homem.

O geógrafo e pós-graduado em Gestão Ambiental, Antônio Bragança, que está auxiliando nas investigações na região, atuou há 15 anos na Reserva Particular do Patrimônio Natural Feliciano Miguel Abdala (RPPN – FMA), em Caratinga, e trabalhou com micos-leões-dourados na Reserva Biológica Poço das Antas, no Rio de Janeiro (RJ) por três anos.

Segundo informado por Bragança, no Córrego dos Andrés, pertencente à Simonésia, a cerca de 5 km de Ipanema, um fazendeiro relatou que os macacos barbados estariam todos morrendo em sua fazenda, o que provocou um alerta naquela região. De acordo com o proprietário da fazenda, José Henrique, os vaqueiros dele já encontraram mais de 20 macacos mortos. Conforme Bragança, a informação das mortes dos macacos foi recebida nesta última quinta-feira (05).

Na sexta (06), o especialista em Gestão Ambiental se reuniu com a direção da RPPN-FMA e foi verificado que lá também estão morrendo barbados. “Há dois animais congelados para coletar material a ser destinado para análise laboratorial para confirmar a causa das mortes dos macacos”, explicou. “Os mais sensíveis à doença, primeiro, são os barbados, e depois o macaco-prego. Não há relatos de febre amarela em muriquis. Mas em barbados é muito comum. Barbados, geralmente, são um sinal de alerta”, completou.

Ontem, o município de Ipanema estava à espera de especialistas e representantes do Ministério da Saúde (MS) para ir a campo e fazer levantamentos, assim como coletar material para descobrir a causa das mortes dos barbados.
As autoridades de saúde de Ipanema também estão em alerta, pois, casos suspeitos já foram registrados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Ipanema.

Fonte:http://www.portalcaparao.com.br/noticia/22850/moradores-encontram-macaco...

sex, 13/01/2017 - 14:38

A internet está chocada ao saber como ficam as corujas sem penas

Dana publicou uma imagem do animal sem nenhuma pluma pelo corpo e rapidamente viralizou.
qua, 11/01/2017 - 12:38

Moradores encontram macacos mortos na região de Simonésia

A reportagem conversou com outras pessoas de regiões diferentes que também relataram o ocorrido
ter, 10/01/2017 - 11:54

Senado pode aumentar pena para crime de maus-tratos contra animais

O projeto de lei pronto para votação no plenário dobra a pena atual e também criminaliza quem promover brigas entre cães
qui, 05/01/2017 - 15:24

Apartamento é invadido por mais de 200 morcegos em São João del-Rei

Havia seis pessoas no imóvel, localizado no 11º andar de um prédio no centro da cidade; acredita-se que os animais saíram da torre da Igreja de São Gonçalo