terça-feira, 28/05/2013

Antes de matar Jéssica, sogra e genro passaram a tarde em motel

 Foto:Reprodução Rede Record

APUCARANA - A mulher e o genro suspeitos de matar a jovem Jéssica Carline Ananias da Costa, de 22 anos, passaram a tarde em um motel no dia do crime. Segundo o delegado Ítalo Sega, o encontro serviu para planejar os detalhes do assassinato. Ainda segundo informações da polícia, o motel fica na cidade de Londrina. Os dois suspeitos teriam passaram por um shopping e depois a mulher foi buscar a neta para que a filha ficasse sozinha em casa com o marido. De acordo com a Polícia Civil, eles armaram um assalto para que a polícia acreditasse em um latrocínio, roubo seguido de morte.

“A mãe e o genro tinham o plano de fugir para Rondônia, mas a Jéssica não ia permitir que eles fossem felizes. A mãe foi a mentora e o marido o executor do crime. Ela dizia que era preciso tirar a filha do caminho para ficarem juntos” disse o delegado.

Publicidade

A vítima foi morta com mais de 25 facadas, no dia 9 de maio, em Apucarana (PR). Os suspeitos tinham um relacionamento há quatro anos e pretendiam ficar juntos, mas , segundo informações Jéssica deu uma surra na mãe quando descobriu a traição. De acordo com o delegado, o homem relatou em depoimento que ela nunca deixaria eles serem felizes juntos.

O marido de Jéssica, o advogado de 26 anos, foi preso no dia do crime e confessou ter desferido as facadas, mas que a sogra ajudou no crime. A polícia passou a investigar a participação dela e pediu à Justiça a prisão. A mulher foi presa na última sexta-feira (24). Outros dois homens que simularam roubar o carro da vítima também foram presos

 Foto:Reprodução Rede Record

A mãe da vítima foi indiciada como cúmplice e coautora do crime. Testemunhas disseram que ela ficou o tempo todo ao lado do caixão da filha no enterro alisando o rosto dela. Segundo o delegado, os dois eram amantes há quatro anos. Os vizinhos e as famílias envolvidas sabiam do caso, inclusive o irmão de Jéssica, um adolescente de 16 anos. O único que não tinha conhecimento do triângulo amoroso era o marido da mãe.
 

RELEMBRE O CASO:

Homem mata mulher com 25 facadas para ficar com a sogra

APUCARANA - A comerciante Jéssica Carline Ananias da Costa, de 22 anos, mãe de uma menina de 4 anos, foi assassinada com 25 golpes de faca desferidos pelo próprio marido, o bacharel de Direito Bruno José da Costa, de 26.

Mas, o mais surpreendente é que a própria mãe da vítima, Célia Forti, de 48 anos, teria ajudado a planejar o assassinato para ficar com o genro.

 fOTO:REPRODUÇÃO REDE RECORD


A revelação foi feita pelo delegado-chefe da 17ª Subdivisão Policial de Apucarana, Ítalo Sega, depois que o assassino confessou que a traía a esposa com a sogra já fazia quatro anos, que ela "sabia de tudo" o que ia acontecer à filha e que o crime vinha sendo planejado há dias.

O crime aconteceu no dia 9 na casa do casal, na Rua Nossa Senhora da Conceição, no bairro Igrejinha, zona sul de Apucarana. Bruno confessou que a ideia era simular um latrocínio. Célia nega que tenha ajudado a planejar o assassinato da filha, mas confessa que mantinha um relacionamento com o genro.

Porém, familiares e amigos de Jéssica afirmam que durante o velório a mãe ficava ao lado do caixão, passa a mão no rosto da filha, mas não levantava o rosto para encarar as pessoas. Bruno José da Costa está preso, mas a amante permanece em liberdade por ter passado o prazo do flagrante.

 Suspeita de ajudar no assassinato da filha para ficar com o genro, mãe é presa

Uma mulher presa suspeita de ter ajudado o genro a matar a filha, de 22 anos, para ficar com o suspeito com quem tinha um caso há quatro anos. Jéssica Carline Ananias da Costa foi morta com 25 facadas, no dia 9 de maio, em Apucarana (PR). Somente na última sexta-feira (24) a polícia esclareceu o crime.

A mãe da vítima foi presa e indiciada como cúmplice e coautora do crime. O marido de Jéssica, um advogado de 26 anos, foi preso e confessou ter desferido as facadas. Eles têm uma filha de quatro anos.

O homem tinha a intenção de simular um latrocínio, roubo seguido de morte. A sogra ficou com a filha do casal e dois homens foram chamados para levar o carro do casal como em um assalto. Os dois envolvidos foram presos, mas a polícia suspeitou da participação de outras pessoas e chegou até o marido e a mulher.

A mãe chegou a participar do enterro da filha. Segundo o delegado-chefe da 17ª Subdivisão Policial (SDP) de Apucarana, Ítalo Sega, os suspeitos tentaram simular um assalto, mas ficou evidente a participação da mãe e do marido no crime. Em depoimento, ela nega ter ajudado na morte, mas confessa o relacionamento amoroso com o genro.

 

R7




Política de Privacidade | Entre em contato
© 2008-2015 plox.com.br Todos os direitos reservados. Primeiro portal de notícias e entretenimento do Vale do Aço