sábado, 02/07/2011

Polícia em Fabriciano apura assassinato de “Laranja” de construtora

Na manhã desta sexta-feira (1), policiais civis de Coronel Fabriciano cumpriram dois mandados de busca e apreensão na tentativa de localizar indícios que ajudem a esclarecer o assassinato de Vilmar Januário de Souza, de 36 anos, cujo corpo foi encontrado em avançado estado de decomposição, na terça-feira (28), numa mata em Timóteo.

A necropsia da vítima, cujo laudo ainda não ficou pronto, indicava um disparo de arma de fogo que teria entrado na nuca e saído na face. Não foi possível ainda determinar o calibre da arma usada no crime.

Segundo a Polícia, Vilmar trabalhava para uma construtora de Coronel Fabriciano, que possui contratos com o governo federal para realizar obras em várias cidades de Minas Gerais e n Espírito Santo. A construtora também está sendo investigada por suspeita de realizar contratos fraudulentos com algumas prefeituras. Ainda segundo a Polícia Civil, está comprovado que o homem morto era usado como "laranja" porque a construtora, que estava em seu nome, possui mais de R$2.000.000 (dois milhões de reais) em passivos, enquanto Vilmar morava em uma casa muito simples em Inhapim.

A Polícia Civil informou que trabalha em três linhas de investigação para a motivação do homicídio, já que foi apurado até o momento que três pessoas lucrariam com o “desaparecimento” de Vilmar.



Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão foram apreendidos na residência de A.O.A, de 36 anos, no bairro Vila dos Técnicos em Timóteo, uma pistola austríaca Glock calibre .40, de uso restrito da Polícia Civil, e um rifle Winchester calibre .44, arma de grande poder de destruição. A.O.A foi preso e conduzido para prestar esclarecimentos.

A perícia vai dizer se alguma dessas armas foi usada no crime.

Em outra residência, pertencente ao empresário J.R.B, uma casa de alto valor no bairro Giovanini, em Coronel Fabriciano, foram apreendidos 2 computadores de mesa, 2 notebooks e diversas caixas com documentos da construtora de sua propriedade. Todos os objetos serão periciados durante os próximos 10 dias.

Segundo o delegado que está a frente das investigações, Dr. Gustavo Cecílio, “as investigações estão bastante avançadas e para as próximas semanas será possível delimitar a autoria do crime, definindo a participação de todos os envolvidos, a mecânica e solicitar a prisão dos mesmos”.

Segundo a Polícia, participaram da operação chefiada pelo delegado regional Dr. João Xingó os policiais civis Daniel Araújo, Gustavo Cecílio, Elton Costa, Fabrício Quenupe, Higor Queiroz, Wanderson, Jardel e Angélica.
 



 

Polícia



Política de Privacidade | Entre em contato
© 2008-2015 plox.com.br Todos os direitos reservados. Primeiro portal de notícias e entretenimento do Vale do Aço