ter, 26/05/2015 - 16:00

Lúpus: entenda como age a doença que atinge cerca de 65 mil brasileiros

Em maio é comemorado o Dia Internacional de Atenção à Pessoa com Lúpus

Publicidade
Assim como a maioria das outras doenças autoimunes, o lúpus eritematoso sistêmico é considerada uma enfermidade “democrática”: atinge homens, mulheres, crianças, idosos, bebês, adolescentes. Muitas vezes, o problema se manifesta por meio de manchas vermelhas na pele. Nem sempre, porém, o lúpus é tão visível: silencioso, pode afetar diversos órgãos. A doença, que costuma aparecer entre 20 e 45 anos, acomete mais mulheres do que homens. De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), uma a cada 1,7 mil brasileiras sofre do mal. Não há números absolutos sobre a quantidade de pessoas afetadas pela enfermidade no país, mas a estimativa da SBR é que aproximadamente o problema atinja 65 mil pessoas.

David Pedrosa, reumatologista do Hospital Santa Luzia, explica que, em linhas gerais, o lúpus é uma doença causada por uma inflamação sistêmica. “O sistema imunológico causa um distúrbio contra vários tecidos do corpo”, detalha. “É uma ruptura do equilíbrio que causa uma inflamação.” Em outras palavras, o corpo se comporta como se estivesse rejeitando a si mesmo: os anticorpos interpretam elementos e processos naturais do próprio corpo como se fossem agentes externos — ou seja, algo que deve ser combatido. “Isso gera todo o quadro clínico de inflamação articular, na pele e em órgãos como rins e pulmões.”

A manifestação da doença em partes diferentes do corpo faz com que o lúpus provoque sintomas muito variados. De cansaço a convulsão (caso a doença atinja o cérebro), o leque de sinais do problema é bastante amplo. “Dificilmente, você vai encontrar um paciente igual ao outro”, comenta David Pedrosa. “A manifestação sistêmica vai depender do órgão atingido. Por isso, o diagnóstico é tão difícil, porque cada paciente terá um conjunto de sintomas diferentes.”

Publicidade
Publicidade

EM

qua, 18/01/2017 - 11:16

Sete mortes por febre amarela são confirmadas em Minas Gerais

A contraprova dos testes foi divulgada à Secretaria de Estado de Saúde (SES) na manhã desta quarta-feira (18)
ter, 17/01/2017 - 22:22

Chega a 53 o número de mortes suspeitas por febre amarela em Minas

Somente em Ladainha, no Vale do Mucuri, foram 16 óbitos registrados; desde o início do surto, 184 casos da doença foram notificados no Estado; Em BH, 21 pessoas continuam internadas no Hospital Eduardo de Menezes.
ter, 17/01/2017 - 17:45

Unimed Vale do Aço cria protocolo para atender pacientes com febre amarela

De acordo com o protocolo adotado pela Unimed Vale do Aço, pacientes com sintomas iniciais da doença deverão passar por avaliação e coleta de exames
ter, 17/01/2017 - 09:42

Sobe o número de mortes suspeitas por febre amarela em MG

Todos os casos aconteceram na zona rural e são da chamada febre amarela silvestre, que pode ser transmitida por três mosquitos diferentes.