ter, 10/01/2017 - 18:19

Saúde realiza primeiro LIRAa do ano em Timóteo

A pesquisa larvária que vai de 10 a 13 de janeiro, apontará os bairros mais infestados.

Publicidade
A Secretaria de Saúde de Timóteo realiza o primeiro Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) do ano de 2017, a partir desta terça-feira (10) até a próxima sexta-feira (13). Os agentes de endemias visitarão as residências para mapear e identificar os criadouros do mosquito Aedes Aegypti e a situação de infestação do município.

Para o secretário de Saúde, César Luz, a pesquisa permite um maior direcionamento das ações de controle para as áreas mais críticas. “São identificadas as áreas mais críticas para intensificar o combate naquele local”, esclarece. No mesmo período do ano passado a administração anterior não fez a pesquisa do LIRAa. Em outubro de 2016, o índice foi de 2,6%, considerado como “estado de alerta”, onde foram apontados 32 imóveis com focos cuja análise de larva foi positiva.

Mesmo em período seco, podem ser encontrados focos do mosquito com identificação positiva de larvas do mosquito que transmite a Zica, Dengue e Chikungunya . A Secretaria de Saúde ressalta a importância de toda a população ficar atenta aos cuidados básicos para se evitar as doenças e valorizar o trabalho dos agentes de endemias.
 

Publicidade
Publicidade
sex, 18/08/2017 - 16:25

Teste acha inseto em café Melitta e pelo de rato em farinha Sol

Teste de segurança realizado pela Proteste detectou irregularidades como um inseto inteiro no café Melitta e pelo de rato na farinha de trigo Sol
sex, 18/08/2017 - 16:16

Autismo: excesso de ácido fólico na gravidez pode dobrar o risco

Apesar de ser benéfico na formação dos bebês, o uso excessivo do folato pode aumentar o risco do transtorno, de acordo com estudo americano
sex, 18/08/2017 - 12:38

Homens e mulheres de até 26 anos poderão ser imunizados contra HPV

Medida é válida apenas em municípios que ainda tenham vacinas em estoque com validade até setembro deste ano
qui, 17/08/2017 - 15:28

Jovem que nasceu sem vagina busca verba para operar e "se sentir mais mulher"

Kaylee Moats descobriu aos 18 anos que era portadora da síndrome de Rokitansky, doença que afeta o sistema reprodutor feminino fazendo com que o canal vaginal seja muito pequeno ou até inexistente