sab, 17/06/2017 - 10:12

Governo espera aprovar reforma da Previdência até agosto, diz secretário

A perspectiva do Executivo é manter o plano da reforma tal qual foi aprovada na comissão especial, sem alterações

O secretário da Previdência Social do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, disse nessa sexta-feira (16), no Recife, que o governo espera aprovar a reforma da Previdência até agosto, e no formato em que foi aprovada na comissão especial criada para tratar do tema na Câmara dos Deputados.

"Quem define a velocidade de tramitação e o conteúdo dessa matéria é o Congresso Nacional. O Congresso tem total autonomia. A perspectiva do Executivo é manter o plano da reforma tal qual foi aprovada na comissão especial, sem alterações e também na perspectiva de aprovação até agosto deste ano", afirmou. "O governo está confiante", acrescentou.

Brasília - O secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, fala na Comissão Especial da Câmara da Reforma da Previdência (PEC 287/16) (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)Para o secretário Marcelo Caetano, quem define a velocidade e o conteúdo da reforma da Previdência é o Congresso

Caetano falou à imprensa depois de debate promovido pelo jornal Diário de Pernambuco sobre a reforma da Previdência. As declarações foram dadas em resposta ao questionamento da existência de clima político para aprovação da proposta, depois da delação dos empresários da JBS.

Há ainda um recesso parlamentar de 18 a 31 de julho, mas o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ontem (15) que, caso a Procuradoria-Geral da República (PGR) decida denunciar Temer por causa da delação da JBS, a Casa pode suspender o período de descanso para dar prioridade ao pedido. O Supremo Tribunal Federal (STF) só pode investigar o presidente caso a Câmara vote nesse sentido.

Reforma em discussão

O debate contou ainda com o secretário especial do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Arnaldo Barbosa de Lima Junior, e o economista e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), André Magalhães, que defenderam a reforma, além do auditor da Receita Federal e professor de direito previdenciário Hugo Góes, que criticou o modelo proposto pelo governo federal.

A principal defesa dos representantes do governo é de que a reforma é necessária e urgente diante da diferença negativa entre o que é pago como contribuição à Previdência e o que ela paga de volta aos brasileiros. De acordo com o secretário Marcelo Caetano, em 2016 o chamado “rombo do INSS” chegou a R$ 150 bilhões. Por isso, segundo ele, seria preciso fazer as mudanças para garantir a possibilidade de existência do sistema a médio e longo prazo.

Para o professor Hugo Góes, o sistema de seguridade social inclui outras formas de financiamento além da constribuição previdenciária, como a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e a Contribuição sobre o Lucro Líquido (CLL), e, por isso, ele é superavitário, ou seja, há dinheiro para pagar todas as despesas das aposentadorias e demais benefícios.

Conforme Góes, o problema é que o governo federal realiza o cálculo levando em conta apenas a receita da Previdência, ao contrário do que determina a Constituição Federal. Segundo ele, mesmo se o cálculo for feito do jeito apresentado pela União, o déficit poderia ser revertido com duas medidas: o fim de renúncias fiscais ligadas ao desconto no pagamento da contribuição do empregador à Previdência e a saída da aposentadoria rural do regime geral.

Marcelo Caetano respondeu que as duas questões constam da proposta de emenda à Constituição (PEC) 287/2016. O secretário informou que a contribuição rural do que está sendo exportado está sendo revista [uma modalidade de isenção]. Acrescentou que novas renúncias não podem ser criadas por meio de emenda constitucional, mas por desoneração de folha, iniciativas mais abrangentes apresentadas este ano".

seg, 26/06/2017 - 17:06

Liberado por lei, desconto nas compras em dinheiro não é obrigatório

Presidente Michel Temer sancionou nesta segunda lei que permite cobrança diferente por um mesmo produto, dependendo da forma de pagamento
seg, 26/06/2017 - 16:30

Lula lidera intenções de voto, mas tem a maior rejeição para as Eleições 2018

Quase metade diz que não votaria no ex-presidente da República de jeito nenhum
seg, 26/06/2017 - 16:05

PT diz que condenação de Lula seria golpe para afastar ex-presidente da eleição de 2018

A nota, assinada pela presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirma que o partido e sua militância acompanham "atentamente" o processo em que Lula é acusado de ter recebido um apartamento tríplex como propina da construtora OAS, e que "
seg, 26/06/2017 - 15:56

Amigo de Temer tem quase R$ 300 mi em contratos com poder público

O número inclui acertos onde a empresa foi contratada de forma direta, quando a própria Argeplan venceu a licitação, e indiretas, quando acabou sendo subcontratada por empresas vencedoras.