sab, 17/06/2017 - 11:30

Marta Suplicy rejeita reassumir Ministério da Cultura

João Batista de Andrade, que ocupava a pasta, pediu demissão na sexta-feira. Marta já foi chefe do ministério durante o governo de Dilma

A senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), ex-ministra da Cultura no governo Dilma Rousseff, foi sondada semanas atrás para reassumir a pasta, mas rejeitou o convite. Seria uma tentativa de fazer agrado ao PMDB, que quer mais um ministério depois da demissão de Osmar Serraglio da Justiça para dar lugar a Torquato Jardim.

Em carta enviada ao presidente Michel Temer, o ministro interino da Cultura, João Batista de Andrade, pediu demissão do cargo nesta sexta-feira, 16, alegando que a pasta ficou “inviável” e que há uma “deterioração” do ambiente político. A informação foi antecipada pela Coluna do Estadão no estadão.com.br. Ele é o terceiro a deixar o comando do Ministério da Cultura em um ano de governo Temer.

Segundo pessoas próximas à Marta, os motivos da recusa são os mesmos usados por Andrade para pedir demissão: redução de pessoal e corte de verbas.

De acordo com interlocutores de Marta, o sucateamento da pasta com o corte de pessoal feito ainda na gestão de Marcelo Calero e o contingenciamento de 43% do orçamento da Cultura inviabilizaram a gestão da pasta.

Interino

O Palácio do Planalto já não tinha a intenção de efetivar o ministro interino da Cultura, João Batista de Andrade, no cargo, em retaliação ao fato de Roberto Freire, titular anterior, ter saído e cobrado a renúncia de Temer, após a delação do empresário Joesley Batista, um dos acionistas da J&F. Os dois são filiados ao PPS.

A pasta poderia ser oferecida à base aliada na negociação por apoio político no Congresso assim como o Ministério da Transparência, que também está com ministro interino.

Andrade disse ao jornal O Estado de S. Paulo que decidiu deixar o cargo após perceber que o posto estava sendo negociado com outros partidos da base. “Eu não vim aqui atrás de cargo, vim fazer política cultural”, afirmou Andrade, alegando que não quer ficar no meio “dessa roda de disputa”. O interino afirmou que o corte de mais de 40% do orçamento da pasta tornou o funcionamento “inviável”. “Os governantes não ligam muito para o Ministério da Cultura”, disse.

Ele lembrou que sua indicação para ocupar o cargo de presidente da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Debora Ivanov, foi ignorada, e que Temer preferiu outra pessoa. “Se como ministro não posso indicar os nomes das agências que estão ligadas à pasta, o que eu estou fazendo aqui? É um grau de desprestígio muito grande. Isso vai desgastando”, afirmou.

Andrade é escritor, roteirista e cineasta. Antes do ministério, foi nomeado secretário de Cultura do Estado de São Paulo em 2005 e, entre 2012 e 2016, exerceu a função de presidente da Fundação Memorial da América Latina (SP).

O governo deve efetivar a troca na Cultura quando Temer retornar da viagem para Rússia e Noruega na sexta-feira, 23. Um dos cotados é o deputado André Amaral (PMDB-PB). 

FONTE:http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2017/06/17/interna_politica,87...

seg, 26/06/2017 - 17:06

Liberado por lei, desconto nas compras em dinheiro não é obrigatório

Presidente Michel Temer sancionou nesta segunda lei que permite cobrança diferente por um mesmo produto, dependendo da forma de pagamento
seg, 26/06/2017 - 16:30

Lula lidera intenções de voto, mas tem a maior rejeição para as Eleições 2018

Quase metade diz que não votaria no ex-presidente da República de jeito nenhum
seg, 26/06/2017 - 16:05

PT diz que condenação de Lula seria golpe para afastar ex-presidente da eleição de 2018

A nota, assinada pela presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), afirma que o partido e sua militância acompanham "atentamente" o processo em que Lula é acusado de ter recebido um apartamento tríplex como propina da construtora OAS, e que "
seg, 26/06/2017 - 15:56

Amigo de Temer tem quase R$ 300 mi em contratos com poder público

O número inclui acertos onde a empresa foi contratada de forma direta, quando a própria Argeplan venceu a licitação, e indiretas, quando acabou sendo subcontratada por empresas vencedoras.