sex, 14/07/2017 - 17:39

Ministro diz que reforma trabalhista favorece confiança de investidores

O ministro informou que a pasta está elaborando um programa com o Fórum Econômico Mundial sobre a indústria 4.0

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, disse hoje (14) que a aprovação da reforma trabalhista, sancionada nesta quinta-feira (13), é um passo importante para construção de um ambiente de confiança de investidores nacionais e internacionais. “Não obstante essa questão da crise política, os investidores estão vendo com muito bons olhos”, disse. Segundo ele, há uma aposta na economia brasileira e a nova legislação ajuda a dar mais segurança jurídica. “A maior reclamação, entrave ao desenvolvimento do país, chamas-se burocracia”.

Marcos Pereira se reuniu com o prefeito de São Paulo, João Doria, para discutir a participação do Brasil no Fórum Econômico Mundial, em março de 2018, na cidade de São Paulo, na edição latino-americana do evento. “Nós vamos apresentar conjuntamente – governo municipal, estadual e federal –, em Davos, na Suíça, opções de investimentos para os grandes fundos e os investidores privados no país”, disse Doria. O fórum de Davos, como também é conhecido, ocorre anualmente no mês de janeiro.

O ministro informou que a pasta está elaborando um programa com o Fórum Econômico Mundial sobre a indústria 4.0. “É um tema importantíssimo, que está sendo discutido no mundo inteiro, a indústria da manufatura avançada, como se chama”, explicou. Ele acrescentou que o Brasil faz parte do Conselho do Futuro da Produção e Manufatura Avançada do Fórum de Davos. “Queremos mostrar essa nova face de São Paulo e do Brasil para o mundo e esse evento será importante nesse sentido”, avaliou.

Crise política

Marcos Pereira acredita que as denúncias que pesam sobre o presidente Michel Temer devem resolvidas com celeridade. “É importante que essa crise política seja resolvida o quanto antes, nós estamos confiantes que o Congresso vai resolver, não é bom para o Brasil, que se troque em um mandato dois, três, quatro presidentes”, disse.

Nesta quinta-feira (13), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, anunciou que a votação do parecer contrário ao prosseguimento da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer ocorrerá no dia 2 de agosto, após o recesso parlamentar. Segundo Maia, a decisão foi tomada após um acordo feito com as lideranças do governo e da oposição.

João Doria também comentou a posição do PSDB em apoiar as reformas do governo federal. “Nossa defesa é proteger aquilo que vem funcionando no plano econômico com a política econômica, que é correta. Nesse sentido, o PSDB tem que estar ao lado do Brasil. Enquanto o governo proteger o Brasil, nós estaremos ao lado daqueles que protegem também”, disse.

Na segunda-feira (10), lideranças do PSDB reuniram-se no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, para discutir os rumos do partido diante da atual conjuntura política. O senador e presidente em exercício do partido, Tasso Jereissati (CE), disse que não existe consenso dentro do partido sobre a permanência no governo. “O que eu estou observando é que o partido [PSDB] por si mesmo está desembarcando [do governo Temer], independente do controle ou da minha vontade”, disse Jereissati.

Fonte: Agência Brasil

dom, 23/07/2017 - 10:47

Família Temer negociou com Yunes

Imóveis de R$ 18,4 milhões teriam sido comprados em transações com investigado na Lava Jato
sab, 22/07/2017 - 11:17

Fiança faz Eike pôr à venda lanchas e Lamborghini

Empresário quer evitar a deterioração de bens bloqueados pela Justiça e, ao mesmo tempo, busca se livrar do custo de sua manutenção
sex, 21/07/2017 - 16:52

Meirelles cochila durante discurso de Temer em reunião do Mercosul

Em seu discurso, o presidente destacou a importância da aproximação entre os países do bloco, do qual o Brasil assume a presidência pelos próximos seis meses
sex, 21/07/2017 - 10:45

TJ marca julgamento de Eduardo Azeredo no mensalão tucano para 22 de agosto

Ex-governador foi condenado em primeira instância a 20 anos e dez meses de prisão, e recorre em liberdade.